Pular para o conteúdo

Uau!!! Ronaldinho agora é bonito.

A chamada do Jornal Nacional do dia 18 de junho não poderia ser mais interessante: Ronaldinho aparece sem aliança no treino. Daí para lembrarem que a Suzana Werner deu para ele no Dia dos Namorados uma camiseta com frase anunciando ser melhor não olharem para o rapaz, as outras, e que este presente o teria deixado constrangido... bom... concluíram tudinho. Ronaldinho e Suzana Werner romperam.


Pior... termiram a vazia matéria, sem qualquer entrevista, dizendo que os dois são jovens e bonitos. Uau!!! Ronaldinho agora é bonito. A Globo além de fofoqueira virou daquelas mocinhas que acham bonitos qualquer cara que ande em uma Mercedes. O nº 9 é bom de bola, é simpático, é queridinho, gracinha... é qualquer coisa menos bonito.


Critérios, pelo amor de Deus!!!


É por matéria inventada deste tipo, porém mais grave, que a coitada da Glória Pires tem que fazer cena patética no Faustão para provar que não tentou se matar e que o Orlandão não é Wood Allen.


E aí vem gente dizer que novela é tudo invenção... que aquelas coisas não acontecem na realidade. A não ser que telejornal também seja obra de ficção, cretinice não é privilégio de novelas.


Em tempo: a possível confirmação do rompimento durante o período em que este comentário estiver na rede em nada mudará minha opinião sobre a pobreza da matéria. O jornalismo inglês tem a BBC para ser copiada, não precisamos dos tablóides.

Não está fácil escrever sobre televisão nestes tempos de futebol. É uma verdadeira overdose.

Não está fácil escrever sobre televisão nestes tempos de futebol. É uma verdadeira overdose. Sugiro aos institutos de pesquisa uma checada na opinião pública para saber se a unanimidade brasileira em torno do futebol é concreta. Olho em volta e não vejo isto como uma realidade incontestável.


Se você pertence a esta minoria que não considero assim tão inexpressiva, receba aqui minha solidariedade. Só posso me compadecer daqueles que não gostam de futebol nos dias que seguem.


Veja só: são 64 jogos transmitidos ao vivo ou não. 13 mesas-redondas e todos os telejornais brasileiros com boletins direto da França, mais os internacionais. De quebra o "Boteco do Ratinho". Não sobra muita coisa.


A coisa é tão triste que o destaque da programação para o dia 11, segundo o caderno TVFOLHA, da Folha de São Paulo, era um seriado sobre a vida de David Hasselhoff, astro de SOS Malibu, no GNT. Você pode imaginar sua vida sem isto?


Fui conferir o que rolava e - além de filmes, desenhos animados, seriados e documentários de sempre - dei de cara com uma reprise da homenagem a Bob Dylan. Na minha janela uma procissão de Corpus Christi e na telinha a imagem de Dylan e Neil Young. A volta dos mortos vivos perde.


Por incrível que pareça a única coisa interessante vinha da RTPI, uma entrevista com a cantora Eugenia Melo e Castro. Ela anunciava algo interessante para o Brasil. A RTPI e a Cultura de São Paulo "estão a co-produzir" um programa que entra na grade em junho (já entrou?) e que tem uma fórmula legal. Duplas de artistas, um português e um brasileiro, se apresentam juntos. Uma idéia bacana pois acho fundamental promover algum tipo de intercâmbio entre Brasil e Portugal que não seja de piadas e dentistas.


Isto é tudo.


Agora, além de minha solidariedade e compaixão, posso ainda dar um conselho: caso você não goste de futebol, jamais mencione isto publicamente. Vocês não sabem a quantidade de mensagens desaforadas que recebo cada vez que digo não gostar deste ou daquele programa.

Há um erro de origem em “Torre de Babel”. Se a novela se passa em um shopping deveria ter apenas adolescentes no elenco.

Há um erro de origem em “Torre de Babel”. Se a novela se passa em um shopping deveria ter apenas adolescentes no elenco.


Depois de fazer uma versão tropicalizada de Plantão Médico a Globo agora nos coloca diante do George Clooney brasileiro. Vocês viram o cabelinho do Edson Celulari em “Torre de Babel”? Ou o novo penteado é uma reciclagem de Calígula, que o mesmo ator interpretou no teatro há algum tempo?


Aliás, em matéria de cabelos a novela de Sílvio de Abreu está fantástica. Os modelitos de Adriana Estevez e Christiane Torloni são lindos. Acho que vou ao “ instituti” fazer um igual pra mim. E pedir ao namorado que adote o estilo boina de Marcos Palmeira.


O Marcos Palmeira eu acho de uma versatilidade incrível. Quando faz personagem rural deixa o cabelo naturalmente rebelde e capricha num falar cheio de cacoetes. Quando interpreta um tipo urbano e inteligente coloca óculos. A mesma estratégia do velho Mário Sérgio de Vale Tudo. Quer dizer: Palmeira crespo é peão. Palmeira de óculos é intelectual.


A estorinha da novela até que é legal. Vingança sempre rendeu bons filmes, romances e novelas e é um respeitável tema recorrente. O elenco também é bacana. A Globo tirou do armário seu estoque de campeões de cartas e audiência. Aliás, tirar do armário é uma expressão bastante apropriada para associarmos a esta novela.


Lá estão La Torloni e La Pfiffer adentrando os lares brasileiros na linha lesbian-chic. Difícil não é agüentar este tema na novela. O porre é suportar a mídia dando bola pra isto. Dizem as más línguas que a loja que elas têm no shopping é uma franquia Samello. Maldade.


Gilnei, o editor do Baguete, adorou os cenários da novela. Especialmente da Torre de “papel”, diz ele. Ora... cenário jamais foi o forte das novelas brasileiras. São sempre “fakes”. Eu nunca tinha prestado atenção nisso até que uma australiana que vivia lá em casa nos idos da adolescência me chamou a atenção para o fato. E ela estava certa.


Parece que a Globo prometeu, quando terminada as gravações da novela, doar a “ Torre” para alguma fundação cultural. Se a teoria do Gilnei estiver certa é bom que esta locação tenha sido construída no canto mais agreste do nordeste. Se chover no papelão dançou.


No mais resta esperar para ver como Sílvio de Abreu se sai nesta empreitada. Ele é mestre em novela das 7. Junto a Jorge Fernando foi responsável pelos melhores pastelões do horário. “Novelão” não é bem sua praia.


Pensando bem... talvez ele pudesse jogar com isso. Imprimir um pouco de humor ao horário, o que jamais foi experimentado, ao menos de forma mais contundente.

Ligo a TV e a certeza que a criatividade científica supera a humanística se evidencia.

Ligo a TV e a certeza que a criatividade científica supera a humanística se evidencia. O programa, desculpem, não sei o nome. Mas vai ao ar nosdomingos, por volta das 20 horas no Worldnet (NET).


Trata-se de um equipe x equipe destes que lotam nossa telinha. Perguntas, respostas, pontos, buzinas, prêmios e a habitual tensão, não importa se verídica ou armada. Igualzinho a sempre. J. Silvestre, Flávio Cavalcanti e Blota Júnior já faziam isto, copiando a TV americana que fazia antes ainda.


O único diferencial do programa é o tema: o mundo dos computadores.


Quatro senhores de cada lado e dois apresentadores. As perguntas são algo assim: "desde que foi criado o primeiro modem, em quantas vezes já foi multiplicada sua velocidade"? "Bill Gates cantarolou na TV esta semana. "Qual música"? "Quanto a Microsoft pagou aos Rolling Stones"? "Quem foi o criador do Yahoo"? E por aí vai.


Faço então um paralelo. Desde que surgiu, a televisão evoluiu muito. Ganhou cor, abandonou a válvula, é transmitida via cabo ou direto por satélite, enfim... uma série de inovações. O computador então nem se fala. De funções limitadas e tamanho imenso, no início, virou estas coisinhas vendidas em supermercado, eletrodoméstico presente diariamente em nossas vidas.


A tecnologia de ambos deu muitos saltos nestas quatro décadas. Tiveram upgrades bem mais sensíveis que a criatividade dos produtores de televisão, que continuam fazendo programas equipe x equipe, tocando buzina para o erro, marcando no relógio o tempo da resposta, forjando tensões, distribuindo prêmios.


Parece que os engenheiros têm alcançado resultados mais expressivos que diretores e produtores de televisão.

Jornais, revistas, emissoras de rádio e de televisão vem destinando nos últimos dias uma série de matérias relativas ao vigésimo “aniversário” do Maio de 68. Até o canal Futura, não se pode dizer que inoportunamente, reprisa a minissérie “Anos Rebeldes".

Jornais, revistas, emissoras de rádio e de televisão vem destinando nos últimos dias uma série de matérias relativas ao vigésimo “aniversário” do Maio de 68. Até o canal Futura, não se pode dizer que inoportunamente, reprisa a minissérie “Anos Rebeldes".


Aquele que buscou assistir o trabalho de Gilberto Braga de forma linear, como foi apresentado no período imediatamente anterior ao processo de impeachment de Color, danou-se. “Anos Rebeldes” está programado no horário denominado “Faixa Comentada”. Isto significa que de tempos em tempos a imagem é congelada e entra em cena o ator Eduardo Martini, que interrompe a trama para explicá-la.


O que a princípio parece insuportável, revela-se interessante. É claro que a fórmula pode não seduzir quem entende todas e tantas citações, mas é muito educativo àqueles que não têm a menor idéia do que se passa na telinha.


E não me refiro às questões políticas porque estas, em maior ou menor grau, são conhecidas. Na pior hipótese o público assinante de TV à cabo, mesmo em um sistema educacional precário, recebeu noções mínimas de história. Leu “O Que É Isto Companheiro”, “Feliz Ano Velho” ou ao menos cantarolou a indefectível “Pra Não Dizer que Não Falei de Flores".


O melhor de tudo nesta reprise é a contextualização de outro tipo de citações. Dois exemplos? Em um determinado capítulo, entre diversas paradas, Martini explica a cena em que João (Cassiano Gabus Mendes), irritado com os Atos Institucionais, diz que “isto é um Febeapá”. Ou quando conta para os telespectadores o que foi a revista Realidade, que aparece nas mãos do personagem de Mila Moreira.Isto já vale um capítulo. Sem dúvida é incomum que alguém com menos de 20 anos conheça o “Festival de Besteiras que Assola o País” (Febeapá), respeitado livro de Stanislaw Ponte Preta. E mais improvável ainda que consiga avaliar a verdadeira importância da revista Realidade, se já tiver ouvido falar dela.


O único aspecto realmente lastimável de “Faixa Comentada” é o veículo. Uma pena que esta idéia só encontre espaço em um canal que chega aos televisores brasileiros apenas via cabo ou parabólica.

Dia de folga e resolvo ficar em casa depois de muito tempo. Estes momentos em que fico quieta no meu canto fazem falta, são raros.

Dia de folga e resolvo ficar em casa depois de muito tempo. Estes momentos em que fico quieta no meu canto fazem falta, são raros. Entre um livro, um CD e a televisão divido minha tarde de ócio absoluto. A Telefunken/76 está um pouco empoeirada e, quando vou ligar o velho aparelho, tomo vergonha e pego no paninho.


Busco a revista da NET e começo a maratona. Além dos usuais documentários do mundo animal e seriados, é impressionante a quantidade destes tipos de programas, filmes, desenhos e mais documentários. A MTV mostra pela milionésima vez o clip do Jamiroquai e um outro canal apresenta a vida de Jackie O.


O GNT reprisa a série Terra Brasil, com a apresentação monocórdica de Lúcia Veríssimo quase pondo a perder os esforço da produção, que caprichou na pauta, religião, e nos entrevistados. Falou Dona Canô, falou Caetano, falaram luteranos, católicos e representantes de todas os dogmas. Interessante.


Programa de apenas meia hora de duração, acabou rápido e logo segui pilotando meu controle remoto. Fui para a TV aberta. Reprise de novela, mais mundo animal, um programa local que nem merece menção, a loura-vespertina recordista de permanência no ar. Nada.


Começo a lembrar uma cena vivida no trabalho. No início da semana estava sentadinha em frente ao computador quando vejo a "chefe" vir muito séria em minha direção. Apesar de não fazer o tipo irado, é "chefe". Soltei um "ai" em pensamento e ouvi: "Márcia, você viu o jogo que a Globo transmitiu no domingo?


Não tinha visto São Paulo x Corínthians e, pelo o que senti, nem ela conseguiu. Como o assunto era futebol logo se formou uma rodinha. E começaram a me contar os detalhes da tal transmissão.


Parece que na falta de tradição em cheer-leaders estamos inovando. Como informação adicional ao esporte, entrevistas com esposas de jogadores. Chitãozinho e Xororó dão seus palpites, e por aí vai.


E isto é só um preâmbulo para o que prometem fazer na Copa, quando Suzana Werner fará entrevistas com a torcida; Pelé, Falcão e Casagrande abobrinharão em nossas cabeças; e sabe lá mais o que.


Volto para meu aparelho e na telinha está Sílvia Popovic com mais um de seus polêmicos assuntos.


Antes que a vontade de voltar correndo para o trabalho tomasse conta de mim peguei minha bolsa e fui ao cinema.


Subitamente senti a maior compaixão pelos desempregados. Além da triste situação de improdutividade e penúria que vivem, nada para ver na televisão durante a tarde.

Estava lá. Um programa dedicado à educação brasileira. Gostei. "Show Brasil 500 Anos". Dedicado à educação e lá pelas tantas, Gal cantando o já clássico de Chico, a legenda: "Folhetin". Isto, com n.

Estava lá. Um programa dedicado à educação brasileira. Gostei. "Show Brasil 500 Anos". Dedicado à educação e lá pelas tantas, Gal cantando o já clássico de Chico, a legenda: "Folhetin". Isto, com n.


Achei bacana. Combina com o estado da educação no país e com a patética cena que pessoalmente protagonizava naquele momento. É verdade... depois de dias de chuva e umidade capazes de não secar peça qualquer, véspera de viagem, eu passava roupas.


Entre una planchada y otra... passavam os cantores em minha frente. Muitos em performances normais, outros até surpreendentes e alguns em situações no mínimo curiosas.


Caetano cantava Carolina pra ninguém pois o áudio sumiu. Não sou do tipo que acha isto tão terrível pois é obra do azar e quem trabalha sabe muito bem disso. É o imponderável que acontece. Mas imagino Caetano, com seu modesto ego, soltando discurso nos corredores.


Enquanto o Skank cantava "É Proibido Fumar", o público gritava: "maconha". E era muita gente, fiquei impressionada. Em rede nacional, puxa! Qualquer dia os cara-pintadas vão às ruas pela legalização. Vai ser os cara-pintadas contra os de cara.


Aí teve uma Baby "ex-Consuelo" do Brasil em versão pós-globalizada. Ela defendeu para os brasileiros uma tese mais ou menos assim: cada um fazendo um pouco vamos chegar ao terceiro milênio em uma cosmocracia. Ela vai além da tão falada globalização e quer a unificação do Cosmo. Isto é que visão de futuro.


O programa teve seu lado sacanagem. Fazer Gabriel Pensador cantar é crueldade. Com ele e com todo mundo. Num dueto com Martinho da Vila perdeu feio. Martinho revelou-se melhor rapper que Gabriel sambista.


E costurando tudo... Maurício Kubrusly. Pessoalmente acho que Zeca Camargo teria feito melhor. Mas escolha e escala são coisas em que ninguém se mete...

Domingo gosto de acordar tranqüilamente, tomar café com o jornalão e assistir Globo Rural. Um dos melhores programas da televisão brasileira. E não falo isso em causa própria. Não o assisto apenas por interesse profissional, ao contrário, talvez sua qualidade tenha contribuído para que eu caísse nesta seara.

Domingo gosto de acordar tranqüilamente, tomar café com o jornalão e assistir Globo Rural. Um dos melhores programas da televisão brasileira. E não falo isso em causa própria. Não o assisto apenas por interesse profissional, ao contrário, talvez sua qualidade tenha contribuído para que eu caísse nesta seara.


Há anos Globo Rural está entre os líderes de correspondência na emissora, o que equivale dizer no país. E merecidamente.


Além da inquestionável qualidade técnica e da identificação que seus repórteres conseguem alcançar com o público do programa, Globo Rural ainda cumpre um importante papel no processo de levar informação ao homem do campo. Pode se dizer que o programa tem até um caráter extensionista.


Faz isto sem o superficialismo ou o didatismo pueril da maioria dos programas, sejam eles jornalísticos ou de ficção. É favorecido por não ser um programa que aborde temas comportamentais, o que lhe garante uma menor margem erro.


Os programas comportamentais de um modo geral são irritantes para muitas pessoas, entre as quais me incluo, por serem absolutamente moralistas. A mocinha deve assumir seu romance com o presidiário? Mesmo se for uma assistente social que infringiu seus princípios éticos ao envolver-se emocionalmente com quem deveria manter-se nos limites do profissionalismo.


De "Você Decide" a "Mulher" (ela novamente), o que vale não é falsa idéia de estarem colocando grandes temas em debate. O que sobra depois de tudo é um julgamento moral. E eu não gosto de julgamentos morais. Sejam eles frutos da ficção ou da realidade.


Duas fórmulas distintas. Duas fórmulas de sucesso inquestionável. Mas eu prefiro a do Globo Repórter, que jamais assume uma postura maniqueísta.

Desde que inventamos esta de escrever semanalmente no Baguete sobre televisão tenho feito um esforço além do humano para ver certos programas que lideram o Ibope.

Desde que inventamos esta de escrever semanalmente no Baguete sobre televisão tenho feito um esforço além do humano para ver certos programas que lideram o Ibope. Por mais telemaníaca que fosse, e nunca fui muito, jamais meu "paladar" suportou nível tão baixo quanto o dos programas que lideram em audiência.


E agora me obrigo a ver para não me tornar daquelas pessoas que nunca viram e não gostaram.


Feito este preâmbulo, para justificar-me ante os de bom gosto, estou com a TV ligada e nela passa "Plantão Méd..", ops, "Mulher". Novelão em película. Tsk, tsk, tsk. Só corrobora a tese de que televisão é ótimo, o que atrapalha um pouco é a programação.


Pra começar o roteiro. Horrível. O renomado Doc Comparato ataca de Sidney Sheldon sem sacanagem. Só sobra drama e miséria humana. Impossível suportar a série de doentes-terminais que passam na tela. E um diálogo permeado de frases lindas como : "a verdadeira dignidade está em lutar pela vida e não pela morte". Tocante. Vai fundo no fígado, embrulha o estômago e dá ânsia.


Onde estão os roteiristas? Não posso crer que seja falta de interesse das produtoras em contratar bons roteiristas.


Resumo da coisa para quem não viu. No mesmo hospital estão Rosa, com um câncer que a deixa em estágio terminal, e uma mulher com morte cerebral e grávida. De um lado, Rosa pressionando Dra. Patrícia "Cris" Pillar a praticar eutanásia. De outro, Dra. Eva "Martha" Wilma lutando para salvar ao menos o bebê da segunda. Dramas de consciência e muitas cenas de UTI depois, morrem Rosa e a grávida. Vive a criança.


E qual não é a surpresa final? Sim... o pai, sem saber o que se passava em "O Hospital", coloca em sua recém-nascida filha o nome de... Rosa. Lindo. Quase chorei.


Ainda bem que era na Globo. Ao menos por isso eu não pago.

O horário é praticamente o mesmo, domingo-23h30, mas uma geração separa "Cara a Cara" e "De Frente com Gabi". Mudaram os tempos, mudaram as celebridades ou mudou Marília Gabriela.

O horário é praticamente o mesmo, domingo-23h30, mas uma geração separa "Cara a Cara" e "De Frente com Gabi". Mudaram os tempos, mudaram as celebridades ou mudou Marília Gabriela.


Os dois programas, praticamente de mesmo formato, agora tão distanciados em anos quanto em "quilate" dos entrevistados. Yasser Arafat levantou da poltrona e deu lugar a Hebe Camargo. Fidel Castro, entrevistado quando ainda mito, cedeu o assento (a cadeira, entenda-se) para Carla Peres.


Com todo o respeito pelas famosas e falsas louras, e com todo o desprezo pela classe política... há uma bela distância entre os programas duas Gabis. É como se entre a política e a diversão de massa não houvesse nada. Fosse o limbo. É claro que na década de 80, ambientação de "Cara a Cara", uma entrevista que reunisse política, pensamento, livre falar e um clima de íntima verdade era revolucionário. Ainda mais quando a jornalista era uma mulher.


Naqueles dias todos ansiavam por alguém que chegasse na televisão e arrancasse respostas inteligentes de pessoas que tinham o que dizer. Ou mais, as pessoas ansiavam ouvir o que estas pessoas tinham a dizer porque isto era novidade no país. Era um deslumbramento com a informação anteriormente roubada.


Hoje não. Hoje parece que todo mundo já está cansado de ouvir qualquer coisa e a filosofia que impera é a do "bullshit". É o escancaramento do cinismo e da descrença, alimentados pela pobreza que tomou conta da televisão brasileira. Nunca foi tão caro fazer televisão, nunca se gastou tanto e nunca se teve tão pouco pra gastar na televisão. Os talk-shows investem todas as fichas no carisma e capacidade do entrevistador, é o caso da Gabi e também do Jô Soares, e pouco sobra para a produção se esmerar.


Entrevistar uma celebridade de verdade sai bem mais caro do que cair na tentação fácil dos oferecimentos que chegam por telefonemas, cartas e mails de cada canto do país às equipes de produção destes programas. E acaba nisso, Marília Gabriela - o similar mais próximo que tínhamos da legendária repórter italiana Oriana Fallacci - cede aos sucessos do momento, ao apelo popular e aos bem elaborados planejamentos de marketing. Vira "escada" pra Carla Peres e congêneres.


E nem ineditismo tem a seu favor. A gente muda o canal e as cenas se repetem. São os mesmos entrevistados, plantonistas de estúdio, só variam emissora (nem sempre) e entrevistador. E depois de um tempo parece que nem estes mudam. É por isso que "De Frente com Gabi" é muito, muito triste. É patético e dá uma certa saudade.