Pular para o conteúdo

Estou com Bárbara Gancia, colunista da Folha de São Paulo, e não abro.

Semana passada mencionei aqui a entrevista de Marília Gabriela com Madonna. Que porcaria!!! Madonna simplesmente não ouvia e sequer respondia o que a jornalista brasileira perguntava. Pior, tem no repertório meia dúzia de respostas prontas que molda às perguntas feitas. Uma chata. E não tem tiete no mundo que consiga me convencer do contrário. Se não está disposta... não conceda entrevistas.


Estou com Bárbara Gancia, colunista da Folha de São Paulo, e não abro. Bárbara conclamou feministas contra as bifas dadas em Sandrinha pelo "civilizado" marido Alexandre Boina. "Você mereceu", disse Bina Colombo. Em que mundo estamos? Apanhar só por galinhagem?


Tascaram Sandrinha pra escanteio. Galinhas do mundo, uni-vos!!!! Acaba de ser criada a ONG-G, organização não-governamental em defesa da galinha. O Dia Nacional da Galinha já foi estipulado. Dia 05 de Outubro, também Dia da Ave.


E agora uma péssima notícia da "vida real". Você anda achando ruins os telejornais? Pois prepare-se para o pior. Anda a maior limpa nas equipes de jornalismo das emissoras. Cortes que chegam a 40%. Isto significa que as matérias de agências internacionais ganharão mais espaços e notícias da sua aldeiazinha... nada ou muito pouco.


A maior sacanagem contra os jornalistas é que notícias de desemprego, demissões em massa, salários atrasados ou aviltantes... só das outras categorias. Ou você acha que os donos dos veículos colocarão em pauta os problemas do setor? Muito pelo contrário... jornalista de novela está sempre com a vida ganha. Pagam fortunas por camundongos e felinos e demitem do outro lado.


Acordo e tenho por hábito assistir Bom Dia Brasil, ao mesmo tempo em que ouço as notícias no rádio. Sei que está na hora de sair quando começa o programa da Angélica, mas outro dia fui obrigada a parar na frente da telinha para me certificar que havia escutado certo. A loirinha da pinta cantava (???) uma musiquinha que, entre outras pérolas, diz: "...eu quero ser seu motoboy..."


Gente... eu juro que não quero ser do contra. Mas não é fácil.

Cada vez que meu super-zapeador entra em ação só vejo futebol nas noites essebetanas.

Será mera coincidência ou o SBT transmite futebol diariamente? Cada vez que meu super-zapeador entra em ação só vejo futebol nas noites essebetanas. O canal vai bem em termos de sucesso popular. Futebol, Chiquititas e Ratinho. Mas o SBT se redime através de Marília Gabriela, que também se redime. Depois de Carla Perez, Roberta Miranda e Hebe Camargo, entre outras celebridades, anuncia para domingo (20/09) entrevista com Madonna. Aquela que virou um mix de Pietá com Princesa Hindú, mas que ainda é campeã de vendas, bilheterias e mídia.


Dizem as revistas do setor que "Torre de Papel" embarca em outra "polêmica": Alexandre se envolverá com Lúcia. Penso seriamente em formar um comitê contrário a esta reviravolta na novela. "Onde já se viu tamanho descaramento?"... perguntaria, ensandecida, nas páginas dos jornais. "Um filho ter um 'caso' com a ex-mulher do pai não é coisa de bom cristão", conclamaria aos seguidores.


Tudo isso só para devolver a Sílvio de Abreu um pouquinho da chatice que ele nos oferece.


E continuando minha maratona pelos canais, vejo Christian & Ralph na Record. Os dois meio acabadões, dizendo que vida de artista não é fácil e que não é um bom negócio. "Desistam", aconselham aos que sonham com o estrelato. E o que há de estranho ou engraçado nisso? É que Chistian fala estas coisas apontando para o relógio em seu pulso, em close, mostrando as horas. O Rolex marca 5h30min. E não é um bom negócio? Já sei. Devem ser da turma de FHC, que acha vida de rico chata. Se as pessoas pensassem antes de falar...


No mesmo horário, a TV Senac/TV Cidadão fazia um programa que defendia tese bem mais interessante. Estimulava jovens músicos a prosseguirem na estrada e dizia: "não importa o estilo, o que vale é ter qualidade". Conseguiu reunir depoimentos de diversos Titãs, Frejat, Hebert Viana, Gilberto Gil e por aí vai, todos dizendo coisas interessantes. Bom trabalho e um custo relativamente baixo não são incompatíveis, provam.


E um leitor escreveu concordando com minha coluna anterior, na qual acusava o Telecine de "falcatrua". Ele mandou alguns cálculos: com os 600 dólares anuais que pagava pela assinatura pode comprar duas passagens ida-e-volta a Buenos Aires, uma a Miami e outras coisas mais. Foi além de minha própria maldade, e diz ser um grande desestimulador da TV por assinatura, responsável por inúmeros cancelamentos.


Olha... para a maioria da classe média brasileira cortar a NET seria no mínimo diminuir 50 reais/mês de entrada no especial. Dá pra pensar nos conselhos do leitor.

Fátima Bernardes falou na queda da bolsa como quem anuncia a entrada da Mangueira na avenida.

Fátima Bernardes mandou ver nas manchetes do Jornal Nacional da última quinta-feira. Falou na queda de 15% da bolsa brasileira como quem anuncia a entrada da Mangueira na avenida. Foi salva pelo maridão que, na hora de chamar a matéria, deu o tom grave que merecia.


Processem a Net!!! Mandem e-mails protestando contra o descaramento da operadora e de sua revista. Vejam só alguns filmes que ela anuncia estrearem na programação do Telecine: Arizona Nunca Mais; O Esporte Favorito Dos Homens; Os Intocáveis; Ironweed; Rede De Intrigas; Reds; Ruas De Fogo; E Se Meu Apartamento Falasse. Pagar um fortuna mensal para ver filmes que a TV aberta já reprisou à exaustão? Puro engodo. Os grandes destaques deste mês são Volcano - A Fúria; e Inferno de Dante. A programação está tão ruim que nem José Wilker agüentou se manter no posto de comentarista na revista da programadora.


Bacana mesmo foi meu retorno a Torre de Babel. Depois de dez dias sem ver a Novela, posso afirmar que não houve qualquer mudança significativa que virasse o foco da trama. Clementino prepara-se para abandonar o posto de "rainho da sucata" e embarcar no reino encantado do chili em uma lanchonete que deverá ser modernérrima e que dará certo, com certeza.


A melhor novidade do novelão ficou por conta do Jamanta. O personagem tornou-se um símbolo de luta contra o celibato compulsório. Mesmo sem entender muito o que aconteceu, Jamanta tirou o pé do barro e transou com Luzineide. Com isto, uma amiga minha que acredita em tudo que a televisão transmite teve renovada a esperança: "se até Jamanta conseguiu...", suspira. Tadinha !!! Do jeito que a televisão anda ruim é bom ela encontrar logo seu Scânia.

Galvão Bueno, "buenamente" diz: "temos aqui conosco Deise Nunes... uma mulher muito bonita, mas muito inteligente".

Tarde de chuva e frio. Um pouco de nostalgia. Ligo a TV para ver Internacional x Corínthians. Lá está ele... Galvão Bueno, que "buenamente" diz: "temos aqui conosco Deise Nunes... uma mulher muito bonita, mas muito inteligente".


A palavra "mas", se o Senhor Galvão Bueno não sabe, exprime oposição ou restrição. Em distintas situações equivale a "porém", "todavia", "entretanto" e "contudo". Estaria ele, ao formular sua brilhante frase, tentando dizer que mulheres bonitas são burras? E que Deise é uma exceção?


Pobre Deise. Tantas provações para ter que um dia ouvir uma coisa destas. A TV é um fantástico veículo para perpetuar estereótipos mesmo.


Melhor tentar ver Roberto D'Ávila em "Conexão" (Domingo, 21 horas, TV Cultura). Nostalgia por nostalgia... D'Ávila jamais apresentará Luiz Fernando Veríssimo como "um homem muito gordo, mas inteligente".


Gostaria que tivessem aprofundado o tema FHC. LFV é praticamente a única voz discordante na mídia nacional, impregnada de uma unanimidade absurda em torno da política econômica brasileira. Mas tudo bem, para alguém os assuntos abordados devem ter constituído novidade.


E já que entrei no tema política... o horário eleitoral tem mostrado uma disparidade sem precedentes na história brasileira. Nunca o nível de produção dos programas foi tão distante um do outro. Há um abismo entre eles. E me refiro apenas a aspectos relacionados a qualidade de imagem, edição, locações etc. Nem entro no campo das idéias.


Curiosamente os programas mais caros são justamente os de candidatos que hoje ocupam cargos públicos ou que estão ligados a partidos que em seus estados ocupam o poder. Qual motivo faz com que sempre consigam mais recursos? Não respondam, por favor.


E explodiram um Planet Hollywood. Taí um filme legal... saem Exterminador do Futuro, Rambo e Duro de Matar à caça dos terroristas. Recorde de bilheteria.


Quanta vilania!!! Turn off.

Duas semanas pelo interior do país são capazes de nos fazer sentir saudade das dublagens do Discovery e da Teleuno.

Volto de um mundo repleto de Ratinhos. Duas semanas pelo interior do país são capazes de nos fazer sentir saudade das dublagens do Discovery e da Teleuno.


Parangolés, Carrapichos, Cadeias... clones ou precurssores de Ratinho e Afanásio. Ou o que eles seriam, caso não fossem...


Defensores e apologistas da pena de morte, afirmam suas virilidades na base do grito. Passam 45 minutos (no mínimo) esmurrando mesas inocentes e aspergindo perdigotos na câmera (é provável que as emissoras tenham seguro dos equipamentos. Ou estes são impermeáveis? Irgh!?...).


Não sei se pior ou melhor, há os programas femininos e suas entrevistas maravilhosas. Segundo uma amiga pé vermelho as apresentadoras do interior sempre estão acima ou abaixo do peso. Deve ser por causa dos infalíveis quadros de receitinhas aos quais agora até o Jornal Hoje sucumbiu. Fórmula fácil para preencher manhãs e tardes intermináveis com personagens que expõem inteligência da "profundeza" de um pires.


E o jornalismo? Trouxe na bagagem, especialmente para meus leitores, uma relíquia: o valente repórter saiu a campo para demonstrar o medo da sociedade ante sucessivos assaltos a ônibus de turismo. Após um texto longo e contundente contra tais ações de "elementos malévolos", entram as entrevistas na rodoviária. Os entrevistados foram de opinião unânime. Todos demonstraram muita segurança e satisfação em viajar de ônibus.


Vixe!! A pauta caiu e só o editor não viu!!


Tem ainda os programas culturais das bucólicas manhãs de sábado e domingo. O desfile de talentos locais só perde pro recital de poemas "de autoria própria" em encerramento de ano letivo na escolinha primária da afilhada.


Nestes insólitos momentos lembro que a natureza nômade dos gaúchos já legou ao país muita coisa boa... mas também muito gaiteiro de 5ª categoria.


Teoria que poderia ser aprofundada pelo colega do Oigaletê.


Colocando na ponta do lápis os jeitos regionais de fazer televisão, a soma dá sempre o mesmo resultado. Trata-se, invariavelmente, de programação doméstica e econômica. Do tipo que até os horrorosos comerciais - de péssimo gosto e baixíssimo nível de produção, apelo e criatividade - conseguem pagar com lucro.


Há quem defenda que, no cômputo geral, o prejuízo é da comunidade. Para conferir o que acontece em seu quintal acaba tendo que aceitar este bombardeio de cretinices.


Os impiedosos diriam que, assim como os políticos, os comunicadores são seres pinçados, representantes de seus eleitores/espectadores. Ou seja, esta televisão - que se multiplica em concessões privilegiadas - seria o espelho de quem a assiste.


* Com a valorosa contribuição de Lara Sfair, a jornalista pé vermelho.

Meninas do Brasil, percorram os sebos atrás da Coleção Cor-de-rosa.

Meninas do Brasil, percorram os sebos atrás da Coleção Cor-de-rosa. O país traiu o plebiscito e a monarquia tomou de assalto as telas. Já temos nossa princesa. Sasha.


Não consigo entender como alguém pode não gostar da Xuxa. Eu, se fosse governadora, compraria uma guerra fiscal para atrair a moça para meu estado. Isenção de impostos, terreno para o estúdio, infra e tudo o mais que ela e a Marlene quisessem.


A empresa Xuxa é muito competente. Gera empregos, divisas. É inclusive uma empresa politicamente correta. Está sempre engajada na defesa da natureza, animais e criancinhas. Parques temáticos à parte.


Pura implicância desta gente que não gosta da Xuxa. Só porque ela é competente ao permitir que seu marketing trabalhe? Boticário, TAM, Bradesco, Volkswagen... não fazem todos o mesmo? São os tempos. A era da informação. Não vão querer seus detratores que ela se abstenha de ganhar dinheiro? Tsk, tsk, tsk.


Ela é rainha. Rainhas precisam de peles, jóias, limousines e menos românticos helicópteros. Rainhas têm propriedades indevassáveis e mesmo ilhas. Quartos com cortinas bufantes e herdeiros.


É claro que - como qualquer rainha - Xuxa comete seus excessos. O principal deles é a péssima mania de contar dinheiro na frente de pobre, via satélite. Nos dias que passam mostrar felicidade pode parecer até provocação. Axé!!


Gosto da Xuxa. Acho um dos mais fantásticos "cases" do país. De Santa Rosa para a liderança da monarquia nacional é um caminho longo. Árduo. Eu gosto de gente de sucesso. Já que doidos todos somos, ao menos bem-sucedidos.


E isto ela definitivamente o é. O que também não significa que eu tenha reunido paciência para cumprir meu papel de súdita em frente à televisão. Sou republicana, afinal.

O absurdo da semana saiu em todas emissoras, em diversos horários e repetidas vezes.

Nem novela, nem humorismo. Tampouco talk-show ou enlatados. O absurdo da semana saiu em todas emissoras, em diversos horários e repetidas vezes. Foi capa-unanimidade e rendeu muita falação, muitas horas de rádio.


Cenas de desprezo absoluto. Não importa o motivo, armados de uma ordem judicial, máquinas e "máquinas", avançavam destruindo casas de uma "vila irregular", digamos assim. Um das justificativas para o civilizado ato seria que tal vila fora construída sobre um manancial.


Já sei, já sei, já sei que os mananciais são a nossa vida. Mas aquela era a vida deles. Era o sonho de um teto. Um teto qualquer. Ali, num cantinho da casa estava aquela coisinha que, por razão que o mundo desconhece, o morador guardava há anos. Uma foto, um caderninho. Tanto faz. E mais, evidentemente, o fogão, a TV, o colchão, as roupas... estas coisas que envolvem crediário, aperto, trabalho grosseiro pra conseguir.


Eu não queria estar lá e nem cá vendo isto.


Cena de miséria humana igual só a da mãe trabalhadora que chora em frente às câmaras porque sua doce filha de 11 anos foi convidada por Anthony Quinn para viver em sua casa nos Estados Unidos. A mãe encara aquilo como uma oportunidade e a menina... a menina vê como uma fantasia de Disney, Hollywood e Beverly Hills. Normal. Banal.


Xô. Melhor mesmo ver Toni Ramos virar o "rainho da sucata". E Maitê Proença a primeira-dama do ferro-velho. Esfregando o chão e feliz.

Depois de ter um "caso" com Torloni encarar uma Glória Menezes de frente é dose pra qualquer um.

Li na Folha de São Paulo que Sílvia Pfifer estaria satisfeita por sair da novela pois ficaria sem núcleo, seu personagem se perderia na trama. Cá entre nós não acredito nisso. Acho que a satisfação tem mais a ver com decadência. Depois de ter um "caso" com Torloni encarar uma Glória Menezes de frente é dose pra qualquer um. Homem ou mulher.


Brincadeirolas de lado, a "morte" de Letícia e Rafaela é a cara do Brasil. Sabe aquela sua tia que diz algo mais ou menos assim: "eu não sou racista mas não gostaria que minha filha se casasse com um negro"? Pois foi isso o que aconteceu.


Os brasileiros não deixam de comprar discos deste ou daquela cantor(a) por serem homossexuais. Fosse assim grande parte das estrelas da música brasileira estaria na miséria.


Acontece que, assim como sua velha tia, eles aceitam a boiolice ou sapatice de qualquer um... desde que não seja com os seus. E neste caso específico, o de Torre de Babel, o "seus" seria a boa e velha Glória Menezes.


Como Regina Duarte foi a "Namoradinha do Brasil", Glória foi e sempre será a "Esposinha do Brasil". Impossível ver a idealização mais recorrente de "mamãe" nos braços de Sílvia Pfifer.

E, finalmente, a certeza de este ser um país de necrófilos.

A Globo conseguiu produzir o mais caro Globo de Ouro da sua história. Fez um programa igualzinho a sempre, só que desta vez na terra do Asterix. Calcule custos normais de produção, passagens, cachês, mordomias e frescuras de toda a troupe que participou do show e veja quanto saiu a brincadeira. Ainda bem que o dinheiro não é meu, pois eu teria proposto fazer aqui mesmo - daria na mesma.


Ouvi gente reclamando que o show não representou bem a cultura brasileira, conforme sua proposta. Pura bobagem. A seleção de artistas tinha tudo a ver com o povo que assa churrasquinho à margem do Sena. É a nossa cara.


Mais uma vez o Brasil vendeu a imagem do "brazilian voodo". Índios brancos dançando, penas, cocares e pinturas afro não faltaram. É claro que Carlinhos Brown teria feito o trabalho com mais competência. Alguém tentou lembrar Villa-Lobos, inserindo um arranjo com as Bachianas. Frustrou-se, pois o locutor anunciou "Trem Caipira", talvez por ter sentido, como muitos, a falta de Egberto Gismonti no palco.


Gilberto Gil, este fantástico artista, semi-tonou o tempo inteiro, para não dizer que desafinou mesmo. Com exceção de Ivan Lins, todos se dirigiam ao público em português e não me pareceu que tivesse tradução simultânea no estádio.


O ponto mais positivo foi registrado no show do Só Pra Contrariar. Parece que assumiram a ruindade do pagode e interpretaram sambas tradicionais, imprimindo um certo toque jazzístico na interpretação. Ao menos reconhecem o óbvio.


Se a televisão realmente tivesse a importância que muitos creditam a ela esta teria sido a última apresentação de Sandy & Júnior. A prova terminal de que isto não é verdade é que eles continuarão a cantar impunemente.


E, finalmente, a certeza de este ser um país de necrófilos. Teve homenagem a Senna, homenagem a Leandro, gente cantando Gonzaguinha, Cazuza e por aí vai. Gil homenageou até Paulo Coelho. Ops, este não morreu.


Eu sei que os franceses são um pouco enjoados... que de um modo geral só gostam deles próprios... estas coisas todas que correm pelo mundo. Mas mesmo assim eu acho que não mereciam isso.

E como todos já devem estar cheios de especiais Leandro vou poupá-los de maiores comentários além deste: que porre!!!

E como todos já devem estar cheios de especiais Leandro vou poupá-los de maiores comentários além deste: que porre!!! Este país está bom demais pro Fernando Henrique no que se refere aos meios de comunicação: Copa do Mundo e morte de ídolo popular. Como vai o Planalto mesmo?


Muito melhor falar mal das plásticas da Glória Menezes. Há muitos anos perguntaram para a Fernanda Montenegro se ela teria problemas com o envelhecimento e se faria plástica. Ela respondeu, lembro bem, que não tinha preconceitos contra a cirurgia mas que não faria pois, sendo atriz, vive da capacidade de expressão do seu rosto. Realmente... Glória Menezes não poderia fazer Central do Brasil.


O melhor da televisão nos últimos tempos é mesmo South Park, desenho animado que passa no Multishow/NET. O melhor horário é o das terças-feiras, 21 horas. O Brasil tem desenhistas de H&Q e animação espalhados pelo mundo. A TV bem poderia colocar alguns a fazer uma novela animada. Perdoem-me o trocadilho (como se houvesse perdão para isso), mas ao menos alguma coisa seria animada na televisão nacional.